ECLUSAS

NORMAS DE TRAFEGO NAS ECLUSAS DA HIDROVIA DO TOCANTINS

 

A CIDADE

DADOS DA CIDADE

HISTÓRIA DA CIDADE

BAIRROS DA CIDADE

CULTURA DA CIDADE

MAPA DA CIDADE

EDUCAÇÃO NA CIDADE

TELEFONES IMPORTANTES

AGENCIAS DE VIAGEM

ONDE IR

CALENDÁRIO DE EVENTOS

GUIA DE COMPRAS

PRAIAS

VILA PERMANENTE

BARES E RESTAURANTES

HOTEIS

LINKS

INFORMAÇÕES TURÍSTICAS

FOTO SHOW

BALADAS E EVENTOS

FALE CONOSCO

HIDRELÉTRICA TUCURUÍ

COMO FUNCIONA A USINA

VERTEDOURO

A CONSTRUÇÃO

GERAÇÃO E CONSERVAÇÃO

ECLUSA

RIO TOCANTINS

O LAGO

ESTRADA DE FERRO

VISITA A USINA HIDRELÉTRICA

AS VISITAS DEVEM SER AGENDADAS PREVIAMENTE PELOS TELEFONES 94-3778 2522 OU 3778 2527 OU PESSOALMENTE NO CENTRO CULTURAL DA ELETRONORTE NO CENTRO COMERCIAL DA VILA PERMANENTE, AS VISITAS ACONTECEM DE SEGUNDA A SÁBADO, SE DIVIDEM EM TRÊS TIPOS DE VISITAS, SÃO GRÁTIS E FEITAS NOS VEÍCULOS DA ELETRONORTE, TENDO PRIORIDADE PESSOAS EM TRANSITO NA CIDADE.

VISITAS A UHE TUCURUÍ

 

NOSSA MISSÃO

Divulgar informações diversas sobre a cidade de Tucuruí e a Região e conseqüentemente permitir que todos possam acessar de forma democrática e universal essas informações.

 

NOSSA VISÃO

Ser o melhor site no ambiente web da Região e divulgar a cidade de Tucuruí

 

NOSSOS VALORES

Criatividade, ética, comprometimento e foco nos habitantes da Região.

 

CRÉDITOS

Os textos e fotos deste web site, exceto quando mencionado em contrário são de nossa propriedade. Embora as informações sejam obtidas de fontes seguras não garantimos a exatidão ou a integridade das mesmas, nosso site utiliza material colhido na cidade, publicado na imprensa nacional além de conteúdo encontrado na própria web. Por esse material tornar-se publico mantemos todos os créditos dos autores originais. Caso seja encontrado algum material não autorizado nos comprometemos a retira-los imediatamente, ou caso permitido garantimos a publicação dos créditos de seus autores.

 

 

 

VISITANTES

 

Este site é um espaço aberto e democrático, se estiver de acordo com nossa missão mande suas fotos, comentários e sugestões para publicarmos.

 

 

 

NAVEGUE

SITES E BLOGS DA REGIÃO

CIDADE DE TUCURUI

MIGUEL RODRIGUES

FOLHA DE TUCURUI

DRA EDILEUZA

TUC NA BALADA

BANDA VINIL LARANJA

BANDA GRANELL

SITES DE BUSCA

FOFOCAS

SAÚDE

MULHER

HUMOR

CULINÁRIA

ESPORTE

PORTAL DE NOTICIAS

DIVERSOS

           loterias ÚLTIMOS RESULTADOS

INDEPENDENTE DE TUCURUÍ

 

Assista em Tucuruí TV Nazaré no canal 39 UHF

 

NORMAS DE TRÁFEGO NAS ECLUSAS DA HIDROVIA DO
TOCANTINS
JULHO/2011
1ª PUBLICAÇÃO
TO
PA
MA
NORMAS DE TRÁFEGO NAS ECLUSAS DA HIDROVIA DO
TOCANTINS
1ª PUBLICAÇÃO
TUCURUÍ – PARÁ
JULHO/2011
APRESENTAÇÃO
Esta norma tem o objetivo de disciplinar a navegação nos trechos compreendidos entre os
canais de acesso a montante e a jusante das eclusas da UHE – TUCURUÍ visando
orientar o funcionamento das eclusas e proporcionar condições de segurança aos que
utilizarem o referido sistema de transposição.
Elaborada a partir de informações técnicas disponibilizadas pelo Departamento Nacional
de Infraestrutura de Transportes – DNIT, Administração das Hidrovias do Amazônia
Oriental – AHIMOR, Capitania dos Portos da Amazônia Oriental - CPAOR e Centrais
Eletricas do Norte do Brasil – ELETRONORTE.
A norma foi aprovada pelo Comando do 4° Distrito Na val – Representante da Autoridade
Marítima Brasileira, por meio do ofício nº xxx/2011.
4
SUMÁRIO
pág.
CAPÍTULO I
Aplicação e Área de Jurisdição ............................................................................................ 6
CAPÍTULO II
Definições ............................................................................................................................ 6
CAPÍTULO III
Dimensões dos Comboios e Gabaritos de Navegação das Obras de Engenharia .............. 9
CAPÍTULO IV
Condições para Passagem nas Eclusas e Canal Intermediário .......................................... 9
CAPÍTULO V
Horários e Ordem de Passagem pelas Eclusas ................................................................ 10
CAPÍTULO VI
Procedimentos para o Processo de Eclusagem ............................................................... 11
CAPÍTULO VII
Sinais Convencionados nas Eclusas .................................................................................. 15
CAPÍTULO VIII
Procedimentos para Passagem sob Pontes ....................................................................... 16
CAPÍTULO IX
Disposições Finais ............................................................................................................. 16
5

CAPÍTULO I
APLICAÇÃO E ÁREA DE JURISDIÇÃO
Artigo 1º. – As Normas e Procedimentos aqui previstos aplicam-se às eclusas da UHETucuruí,
a seu respectivo Canal Intermediário e aos trechos navegáveis sinalizados.
CAPÍTULO II
DEFINIÇÕES
Artigo 2º. – Para efeito desta norma, considera-se:
I – DNIT – Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes:
Autarquia vinculada ao Ministério dos Transportes. Responsável pela execução das
políticas federais de infraestrutura do Ministério dos Transportes.
II – DAQ – Diretoria de Infraestrutura Aquaviaria:
Diretoria Setorial do DNIT. Responsável pela execução das políticas federais de
infraestrutura do Ministério dos Transportes nos trechos navegáveis do rio Tocantins.
III – AHIMOR – Administração das Hidrovias da Amazônia Oriental:
Administrador das Hidrovias da Amazônia Oriental. No âmbito desta norma é
responsável pelo trecho compreeendido de Marabá até a foz.
IV – ELETRONORTE – Centrais Elétricas do Norte do Brasil S.A.:
Operadora do sistema de transposição (Eclusas). Concessionária responsável pela
operação e manutenção das eclusas 1 e 2 e o canal de intermediário.
V – Usuário: Pessoa física ou jurídica que usufrui dos serviços das eclusas, canais e vias
navegáveis da hidrovia do Tocantins.
VI –Comandante: Designação genérica de quem comanda a embarcação. É o responsável
por tudo que diga respeito à embarcação, a carga, a seus tripulantes e às demais pessoas a
bordo.
VII – Eclusa: Instalação que permite a embarcação vencer o desnível de uma barragem no
leito do curso d'água.
VIII – Eclusagem: Operação na eclusa para que as embarcações vençam o desnível criado
pela barragem e à ultrapassem navegando.
IX – Operador da eclusa: É o responsável geral pela ordem na eclusa frente aos usuários
e pelo controle administrativo e operacional da mesma.
X – Muro-guia: Muro flutuante ou fixo que, a partir da porta da eclusa, avança em direção
ao canal de navegação. É usado para alinhar o comboio na entrada e saída da câmara da
eclusa.
XI – Canal Intermediário: É um canal artificial contido por um Dique em uma de suas
laterais que faz a ligação entre as duas eclusas do sistema de transposição.
7
XII – Vias navegáveis: Compreendem os canais de navegação sinalizados ao longo dos
rios.
XIII – Amarradores flutuantes: São estruturas localizadas nas laterais internas das
câmaras das eclusas utilizadas para amarração de embarcações e acompanham o nível da
água durante a operação de enchimento/esvaziamento da câmara.
XIV – Comboio: Grupo de embarcações que navegam unidas entre si, formando um só
conjunto.
XV – Embarcação: Qualquer construção capaz de transportar pessoas ou cargas,
suscetível a locomover na água por meios próprios ou não.
XVI – Cargas Perigosas: Aquelas estabelecidas nas Normas da Autoridade Marítima, bem
como nas classificadas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas, por meio dos
números NBR 5.930, NBR 7.500, NBR 7.501 e NBR 7.502 e outras, a critério da autoridade
estadual ou de autoridade legal em seu grau de jurisdição, que assim venham a ser
consideradas.
XVII – Resíduos perigosos: Qualquer resíduo que possa produzir ou contribuir para
produzir lesões ou doenças graves, inclusive com riscos de morte, ou que constitua uma
ameaça substancial para a saúde humana ou para o meio ambiente se manipulado
inadequadamente. A este grupo pertencem os materiais que apresenta qualquer das
seguintes características: inflamabilidade, corrosividade, explosividade, reatividade,
toxicidade ou bioacumulação.
XVIII – Embarcação miúda: Será considerada embarcação miúda qualquer tipo de
embarcação ou dispositivo flutuante com comprimento inferior ou igual a cinco (5) metros ou
com comprimento total inferior a oito (8) metros que apresente as seguintes características:
convés aberto, convés fechado mas sem cabine habitável e sem propulsão mecânica fixa e
que, caso utilize motor de popa, este não exceda 30 HP.
Considera-se cabine habitável aquela que possui condições de habitabilidade.
XIX – Ponto de Parada Obrigatória (P.P.O.): Local convenientemente demarcado por
boias, a jusante e a montante de cada eclusa e na entrada e saída de canais artificiais, a
partir do qual as embarcações só poderão prosseguir a navegação com a autorização do
operador da eclusa.
XX – Equipamento de Comunicação: Equipamento de radiocomunicação em VHF na
modalidade "Serviço Móvel Marítimo" definido pela Instrução nº 04/81, Instrução nº 10/87 e
pela Portaria nº 52, de 04/06/91, do Ministério das Comunicações.
XXI – Ponto de Comunicação Obrigatória (P.C.O.): Local convenientemente demarcado
por bóias ou por placas de margem a jusante e a montante de cada eclusa, onde as
embarcações deverão estabelecer obrigatoriamente o primeiro contato com o operador da
eclusa, por meio do equipamento de comunicação VHF.
XXII – Ponto de Espera (P.E.) ou Desmembramento (P.D.): Pontos em terra ou
flutuantes (boias de amarração), situados a montante e a jusante das obras de engenharia,
nos quais as embarcações poderão ser amarradas/atracadas em caso de necessidade ou
cumprimento de instruções.
8
XXIII – Área de Segurança: Área fluvial navegável entre os pontos de parada obrigatória
(PPO’s) a montante e a jusante demarcados por boias ou por placas de margem, incluindo a
eclusa.
XXIV – Processo de Eclusagem: Será considerado iniciado a partir do instante em que,
tendo sido dada autorização pelo operador da eclusa, a correspondente embarcação
adentrar a área de segurança. Será considerado concluído quando a embarcação deixar a
área de segurança pelo lado oposto ao da entrada da área referida.
XXV – Calado: Distância vertical do fundo da embarcação (quilha) até a linha d’água.
XXVI – Pé-de-piloto: Distância vertical do fundo da embarcação (quilha) até o leito do rio,
canal ou reservatório.
XXVII – Trecho crítico: Trecho navegável cuja largura e/ou raio de curvatura, não permite
o cruzamento de comboio Tipo Tocantins com outra embarcação.
XXVIII – Trecho restrito: Trecho navegável cuja largura e/ou raio de curvatura, não
apresenta restrição para o cruzamento de comboio Tipo Tocantins com outra embarcação,
porém, em função das características do local, exige dos comandantes das embarcações,
atenção especial por ocasião da navegação com aquele tipo de comboio.
XXIX – Passos com Restrições: Segmentos navegáveis, baixios inclusive, no trecho em
corrente livre que exigem dos comandantes atenção especial quanto as condições de
largura e profundidade do canal de navegação.
XXX – Folha de Avaliação de Sinalização (FAS): Formulário destinado ao registro das
ocorrências observadas na sinalização do sistema de transposição, devendo ser preenchido
e entregue pelo Comandante da embarcação, via fax ou correio eletrônico, ao Operador da
eclusa ou ao Administrador da hidrovia.
XXXI – Solicitação de Transposição na Eclusa (S.T.): Formulário que deve ser
preenchido e entregue na 1ª (primeira) eclusa do percurso, toda vez que a embarcação
estiver carregada (carga e/ou passageiro).
XXXII – Boletim de Avaria de Sinais (BAS): Boletim semanal, emitido pela
Administradora da eclusa e enviados para a Administração da Hidrovia AHIMOR/DNIT e
Capitania dos Portos da Amazônia Oriental - CPAOR, os quais são divulgados aos
comandantes das embarcações via radio VHF, pelo Operador da eclusa e Aviso aos
Navegantes - pela CPAOR, informando e as avarias dos respectivos locais onde ocorreram.
XXXIII – Autoridade Marítima: São os Representantes e Agentes da Autoridade Marítima,
exercida na forma da Lei pelo Comandante da Marinha, que assim delega (LESTA e
NORMAM):
a) Agentes da Autoridade Marítima:
1) Na área de jurisdição da sede da Capitania dos Portos (CP), o Capitão dos Portos ou
Oficial designado por ato do Capitão dos Portos; e
2) Nas áreas de jurisdição das Delegacias (DL) e Agência (AG), os respectivos Delegados e
Agentes.
9
b) Representante da Autoridade Marítima para Segurança do Tráfego
Aquaviário:
1) A Diretoria de Portos e Costas (DPC) e o Distrito Naval (DN).
CAPÍTULO III
DIMENSÕES DOS COMBOIOS E GABARITOS DE NAVEGAÇÃO DAS OBRAS DE
ENGENHARIA
Artigo 3º. – As restrições físicas impostas pelas obras de engenharia existentes na região
estabelecem as dimensões máximas permissíveis para os comboios conforme Anexo I.
Parágrafo único – Caso as condições hidrológicas sejam favoráveis, a AHIMOR e a
ELETRONORTE poderão estabelecer, após autorização da representante regional da
Autoridade Marítima, a navegação e eclusagem com calado superior aos estabelecidos.
CAPÍTULO IV
CONDIÇÕES PARA PASSAGEM NAS ECLUSAS E CANAL INTERMEDIÁRIO
Artigo 4º. – Só poderão trafegar pelas eclusas e Canal Intermediário do sistema de
transposição da UHE de Tucuruí e vias navegaveis do rio Tocantins, embarcações ou
comboios que estejam com suas situações regularizadas perante a Marinha do Brasil e que
não ultrapassem as dimensões máximas permitidas definidas para cada período de
permanência.
Parágrafo 1º – Caberá ao DNIT, após autorização da Autoridade Marítima,
estabelecer limites de dimensões, visando a manutenção da integridade das obras de
engenharia e a segurança da navegação.
Parágrafo 2º – Antes de iniciar a passagem por trechos críticos ou restritos, caberá
ao Comandante da embarcação ou comboio a responsabilidade pela adoção integral das
instruções contidas no ANEXO II.
Artigo 5º. – Para navegar nas áreas de segurança, a embarcação deverá possuir um péde-
piloto de, no mínimo, 0,70 m (setenta centímetros).
Parágrafo 1º – Em condições hidrológicas favoráveis, após autorização da
Autoridade Marítima, os responsáveis pela Hidrovia poderão reduzir a folga em questão,
para viabilizar a operação com calados superiores aos definidos.
Parágrafo 2º – Para as eclusas, a altura máxima das embarcações (calado aéreo)
deverá ser inferior a 15,00 (quize) metros, devido à limitação de altura. Para que os
comboios operem de maneira segura, recomenda-se a utilização de empurrador com a
ponte de comando elevadiça e/ou mastros rebatíveis.
Artigo 6º. – Não será permitida a passagem pelas eclusas e Canal Intermediário nos
seguintes casos:
10
I – Embarcações em perigo de naufrágio;
II – Embarcações que contenham cargas mal estivadas ou apetrechos mal
acondicionados ou ameaçando cair;
III – Embarcações com cargas salientes de tal modo que possam danificar as
eclusas e o Canal Intermediário;
IV – Embarcações com correias, cabos ou outros artefatos pendentes irregularmente
para o lado de fora;
V – Embarcações que apresentem defeitos nas máquinas, vazamento, ou falhas em
seu sistema de controle e direção, ou que venham a comprometer a sua manobra na
passagem pelas eclusas e Canal Intermediário;
VI – Embarcações sem reversores ou problemas na marcha a ré;
VII – Embarcações sem equipamento de comunicação adequado para estabelecer
contato com o Operador da eclusa a partir do P.C.O.;
VIII – Embarcações com defensas em número insuficiente ou em mau estado de
conservação, conforme Artigo 13;
IX – Embarcações com comprimento menor ou igual a 5m que disponham de
propulsão própria a motor.
Parágrafo único. – Situações não previstas e casos excepcionais serão estudados
caso a caso para liberação, devendo ter parecer da Operadora das Eclusas e autorização
da Capitania dos Portos da Amazônia Oriental.
Artigo 7º. – No convés das embarcações durante o processo de eclusagem e passagem no
Canal Intermediário, é obrigatório o uso de coletes salva-vidas pelos tripulantes que
estiverem em faina de amarração/atracação, sendo que os demais tripulantes/passageiros
deverão afastar-se das bordas, a fim de evitar acidentes.
Artigo 8º. – Qualquer embarcação que cruzar ou navegar na área de segurança, sem
autorização do Operador da eclusa, terá por conta e risco próprio total responsabilidade
pelas consequencias resultantes de sua manobra.
Artigo 9º. – Não serão permitidos, nas áreas demarcadas entre os PPO’s a montante e a
jusante das eclusas, o tráfego e fundeio de embarcações miúdas, prática de esqui-aquático,
pára-quedas rebocado, operações de mergulho amador, pesca, regatas e competições ou
exibições públicas aquáticas, salvo em ocasiões especiais e com autorização do Operador
da eclusa e da Autoridade Marítima.
CAPÍTULO V
HORÁRIOS E ORDEM DE PASSAGEM PELAS ECLUSAS
Artigo 10º. – As passagens nas eclusas serão realizadas no período diurno compreendido
entre 06:00h e 18:00h.
11
Parágrafo único – Em casos de emergência, relacionados à segurança, a
Operadora das eclusas poderá, a seu critério, promover a interdição da(s) mesma(s) sem
prévio aviso, informando e justificando imediatamente o fato à Autoridade Marítima, sendo
as comunicações de interdição aos usuários promovidas posteriormente.
Artigo 11. – O funcionamento em qualquer das eclusas do Sistema de Transposição da
UHE Tucuruí, poderá ser suspenso, por solicitação da Operadora das eclusas, propondo a
época e a duração da interrupção, com aprovação do responsável pela Hidrovia, para
efetuar serviços de manutenções corretivas e preventivas, limpeza da(s) câmara(s),
inspeções nos equipamentos eletromecânicos e aquedutos.
Artigo 12. – O direito de passagem nas 02 (duas) eclusas para embarcações que estejam
aguardando será concedido pelo Operador da eclusa considerando a seguinte ordem de
prioridade:
I – Embarcação de passageiros;
II – Órgãos de fiscalização federal, estadual e municipal em embarcações oficiais;
III – Embarcação transportando mercadorias perecíveis ou susceptíveis de perdas
na qualidade final do produto;
IV – Embarcação destinada a execução de trabalhos de manutenção na hidrovia.
Parágrafo 1º – Na ausência de embarcações que preencham os requisitos acima,
será considerada como prioridade a ordem de chegada da embarcação nos PPO’s (jusante
e montante) das eclusas.
Parágrafo 2º – Para otimizar a ocupação da eclusa, o operador poderá determinar o
ingresso na câmara de embarcações que não estejam na ordem de chegada.
CAPÍTULO VI
PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO DE ECLUSAGEM
Artigo 13. – Nas operações de eclusagem, além dos equipamentos e tripulantes regulares,
as embarcações e comboios deverão ter a bordo e pronto para emprego, os seguintes
equipamentos:
I – Defensas de cada lado da embarcação e nas quantidades definidas no quadro
abaixo, solidamente amarradas a partes fixas da mesma, com cabos de espessura
apropriada e que estejam em bom estado de conservação e arranjados de forma que
somente as defensas entrem em contato com as paredes das eclusas. Recomenda-se o
uso de defensas móveis de modo a evitar o contato da embarcação com a eclusa nas
partes não protegidas pelas defensas fixas.
Comprimento total (L) da embarcação
ou comboio (m)
Número mínimo de defensas
por bordo
L menor ou igual 20,00 02
L maior que 20,00 e menor ou igual 40,00 03
L maior que 40,00 e menor ou igual 60,00 04
12
L maior que 60,00 e menor ou igual 80,00 05
L maior que 80,00 e menor ou igual 110,00 06
L maior que 110,00 e menor ou igual 140,00 07
L maior que 140,00 e menor ou igual 160,00 08
L maior que 160,00 e menor ou igual 180,00 09
L maior que 180,00 10
II – Espias para amarração da embarcação nos amarradouros flutuantes das
eclusas em bom estado de conservação, com dimensões adequadas e alças permanentes
suficientes para atender a amarração conforme estabelecido no ANEXO III.
III – Possuir equipamento de comunicação em VHF marítimo, para comunicação
com o Operador das eclusas utilizando os canais definidos no ANEXO IV, a partir do
P.C.O.
IV – As embarcações ou comboios com comprimento igual ou superior a 70,00m
(setenta metros) deverão possuir equipamento de comunicação em VHF portátil para
comunicação entre o Comandante e o(s) tripulante(s) que estiver(em) guarnecendo a proa
durante o procedimento de aproximação e entrada na câmara da eclusa.
Artigo 14. – Embarcações miúdas, desde que possuam os seguintes equipamentos:
extintor de incêndio, iluminação, material de salvatagem (coletes e ou bóias circulares),
espias (cabo) de amarração e equipamento de comunicação em VHF marítimo, só poderão
eclusar e acessar o Canal Intermediário com autorização prévia expedida pela Operadora
do Sistema de Transposição – Eclusas.
Artigo 15. – Embarcações que transporte cargas perigosas não podem ser eclusadas
juntamente a barcos de passageiros, pesca ou de esporte/recreio, devendo ser observados
rigorosamente os dispositivos de segurança previstos nas normas para tráfego de cargas
perigosas. O não cumprimento do disposto neste Artigo impedirá a eclusagem até que seja
sanada a irregularidade.
Artigo 16. – Só é permitida a amarração de embarcações em paralelo nas laterais da
câmara da eclusa, quando a soma das bocas (larguras) das embarcações for menor ou
igual a 29,00m (vinte e nove metros) para as eclusas. Neste caso, tem prioridade de
ingresso na câmara, a embarcação de maior largura, sendo que, ao término da eclusagem,
terá prioridade de saída, a embarcação de menor largura.
Artigo 17. – As embarcações que pretendam passar pela eclusa devem proceder da
seguinte maneira:
I – Toda embarcação, ao chegar nos P.C.O’s, deverá obrigatoriamente estabelecer
contato com o Operador da eclusa por meio do equipamento de comunicação, nas
freqüências definidas no ANEXO IV, e informar que se está dirigindo ao P.P.O ou ao P.E..
Durante a comunicação da embarcação com a eclusa deverá ser adotada, sempre que
possível, a fraseologia constante do ANEXO V. Todas as comunicações com o Operador
da eclusa deverão ser gravadas.
Parágrafo 1º – A partir do P.C.O o Comandante do comboio deverá dar especial
atenção às comunicações de bordo com a eclusa, até o término da eclusagem.
Parágrafo 2º – O tráfego das embarcações na área de segurança é controlado pela
13
Operadora da eclusa.
II – Fornecer corretamente ao Operador da eclusa, por meio do equipamento de
comunicação, antes de se iniciar o processo de eclusagem, as informações constantes do
ANEXO VI, com a finalidade de segurança, estatística ou planejamento.
Parágrafo único. O Comandante da embarcação deverá estar atento para as
seguintes informações que serão transmitidas pelo operador da eclusa:
a) Direção e intensidade dos ventos
b) Avarias na sinalização constantes da FAS
c) Eventuais alterações quanto a vazão defluente da usina e
d) Outras informações pertinentes ao local que a embarcação irá adentrar.
III – As embarcações, ao chegarem no P.P.O. ou P.E., deverão pairar sob máquinas
ou atracar, respectivamente, na sequência de chegada e aguardar autorização do
operador da eclusa, por meio do equipamento de comunicação, para prosseguir viagem
em direção à eclusa.
Parágrafo 1º. – As embarcações que estiverem atracadas em locais situados entre a
eclusa e o P.C.O, antes de sua partida, mesmo que não venham a utilizar a eclusa, deverão
contatar o Operador, realizando procedimento idêntico ao da chegada aos P.C.O’s.
Parágrafo 2º. – Nos casos em que a eclusa não estiver ocupada por outra
embarcação e preparada para atender a embarcação que chegue ao P.P.O., o Operador da
eclusa poderá dispensar a parada obrigatória e autorizá-la a acessar a eclusa.
Parágrafo 3º. – Após autorização do Operador para prosseguir viagem em direção a
eclusa, cabe ao Comandante a decisão de avançar em condições desfavoráveis à
navegação.
Parágrafo 4º – Em condições adversas, os Comandantes deverão abandonar as
áreas próximas às obras de engenharia propiciando assim maior segurança à navegação.
Parágrafo 5º – A velocidade limite dentro da área de segurança deverá ser a mínima
que garanta a navegabilidade, governo e manobra do comboio e não deverá superar 4
(quatro) nós (7,41 km/h).
Artigo 18. – Na condução das embarcações a partir do P.P.O, os Comandantes deverão
acatar as instruções transmitidas pelo Operador da eclusa, bem como respeitar as
sinalizações de entrada e saída das eclusas.
Parágrafo único. – No interior da área de segurança, ocorrendo danos às
instalações causados por embarcações envolvidas em acidentes ou fatos da navegação, o
Operador da eclusa poderá retê-las pelo prazo necessário à conclusão dos procedimentos
administrativos cabíveis, pelos órgãos competentes.
Artigo 19. – As embarcações não deverão permanecer nas eclusas por tempo superior ao
necessário para operação de eclusagem, devendo as mesmas entrar ou sair imediatamente
14
após receberem as instruções.
Parágrafo único. – Os usuários deverão executar as manobras que lhes forem
solicitadas, visando evitar qualquer perda de tempo entre eclusagens consecutivas.
Artigo 20. – Toda embarcação com comprimento igual ou superior a 70,00m (setenta
metros), durante o processo de aproximação e entrada na câmara da eclusa, deverá manter
um Marinheiro na proa portando equipamento de comunicação VHF portátil para transmitir
orientações ao Comandante da embarcação.
Artigo 21. – Ao ingressar na eclusa, as embarcações devem parar mantendo uma
distância mínima das portas de montante e jusante definida pelo início da faixa vertical
amarela demarcada na parede da eclusa e manter em funcionamento os motores até que
seja concluída a amarração dos cabos de popa, de través e de proa aos amarradouros
flutuantes, conforme ANEXO III.
Parágrafo 1º – As embarcações que ultrapassarem as dimensões máximas
demarcadas nas paredes da eclusa, deverão sair da câmara e somente serão eclusadas
após desmembramento a ser efetuado fora da área de segurança.
Parágrafo 2º – O esquema de pintura das faixas demarcadas nas paredes das
eclusas, bem como os procedimentos complementares a serem observados em função do
posicionamento das embarcações com relação as mesmas, constam do ANEXO VII
“Medidas de Segurança para Eclusagem de Embarcações”.
Parágrafo 3º – É vedado o desmembramento, embarque, desembarque ou
transbordo de passageiros, tripulantes das embarcações ou carga no interior das eclusas e
Canal Intermediário, exceto às equipes de fiscalização e manutenção da hidrovia,
pertencentes ao Operador das eclusas e à Capitania dos Portos da Amazônia Oriental -
CPAOR.
Parágrafo 4º – As espias (cabos de amarração) durante a operação de eclusagem
deverão estar tesadas e serão observadas continuamente pelos tripulantes responsáveis
pela amarração, alertando o Comandante sobre qualquer irregularidade ou movimentação
que possa resultar em perigo aos equipamentos da eclusa e/ou à embarcação. Verificada
qualquer irregularidade durante a eclusagem, o Comandante deverá informar
imediatamente o Operador da eclusa.
Parágrafo 5º – As operações de enchimento e esvaziamento das câmaras devem ser
executadas com os motores ligados e desengatados do sistema de propulsão. Nas
embarcações de passageiros, esporte/recreio e miúdas, cabe ao Comandante a decisão de
deixar o motor ligado ou não.
Artigo 22. – Durante a eclusagem, as embarcações deverão estar sob os cuidados de sua
tripulação, vigiadas e convenientemente amarradas, sem poder, em caso algum, serem
amarradas às portas, escadas ou outras peças senão aquelas especificadas à amarração.
Artigo 23. – Dentro da eclusa os Comandantes e demais usuários devem se submeter às
orientações que lhes forem dadas pelo Operador das eclusas, com vistas a assegurar a
rapidez na eclusagem, assim como a sua plena utilização e segurança na operação.
Artigo 24. – Na eclusa, as embarcações devem permanecer amarradas aos amarradores
15
(cabeços) flutuantes após sua parada total. A amarração não deve ser desfeita até ser dado
o sinal sonoro de 2 (dois) toques de sirene longos para a embarcação sair da câmara,
conforme definido no Artigo 30.
Artigo 25. – São proibidas amarrações próximas às entradas das eclusas e nos murosguia,
exceto em locais previamente divulgados e indicados pela autoridade responsável pela
Hidrovia.
Parágrafo único. – Este artigo não se aplica às embarcações utilizadas na
manutenção da Hidrovia e das próprias Eclusas.
Artigo 26. – É terminantemente proibido lançar ou deixar cair na água, no interior da
eclusa, qualquer objeto sólido ou líquido, ficando o usuário responsável pelas despesas
decorrentes da sua retirada e recuperação de possíveis danos que tenha causado à câmara
da eclusa e ao meio ambiente.
Parágrafo único. – Este artigo não se aplica às defensas fixas das embarcações
que, eventualmente, se desprendem do costado durante o acesso à câmara das eclusas.
Neste caso, é obrigação do Comandante informar ao Operador da eclusa a queda do
material na água.
Artigo 27. – As embarcações que não conseguirem estabelecer comunicação via rádio com
o Operador da eclusa por falha do equipamento deverão proceder da seguinte forma:
1. Aguardar fora da área de segurança da eclusa, até que seja restabelecida a
comunicação com o Operador das eclusas.
2. Após o restabelecimento da comunicação com o Operador da eclusa o Comandante
deverá seguir os procedimentos normais para obter autorização de eclusagem.
Artigo 28. – Em condições de visibilidade restrita (conforme definido pelo RIPEAM - Seção
III), estará proibida a aproximação para eclusagem a partir do PPO até que sejam
restabelecidas as condições visuais avaliadas pelo Operador da eclusa. As embarcações
deverão aguardar a melhora do tempo, abarrancadas, fundeadas ou atracadas em locais
autorizados.
CAPÍTULO VII
SINAIS CONVENCIONADOS NAS ECLUSAS
Artigo 29. – Nas manobras de entrada e saída das eclusas as autorizações para
movimentação das embarcações serão informadas pelo Operador da eclusa por intermédio
do equipamento de comunicação e confirmadas pelos seguintes sinais:
I – Após autorização recebida no P.P.O., a embarcação deverá avançar pelo
reservatório ou canal de acesso observando a sinalização luminosa existente conforme
ANEXO VIII e instruções abaixo:
a) 02 (duas) luzes encarnadas dispostas na horizontal:
ECLUSA FORA DE OPERAÇÃO/BLOQUEIO DE PASSAGEM.
16
b) 01 (uma) única luz amarela:
A EMBARCAÇÃO DEVERÁ AGUARDAR AUTORIZAÇÃO PARA ACOSTAR NO MURO
GUIA OU PARA ENTRADA NA ECLUSA.
c) 01 (uma) luz verde:
A EMBARCAÇÃO ESTÁ AUTORIZADA A ADENTRAR A CÂMARA DA ECLUSA.
II – Quando a embarcação já estiver dentro da câmara da eclusa e devidamente
amarrada:
a) O alerta para o início da operação de enchimento ou esvaziamento da
eclusa será dado por SINAL SONORO DE 1 (UM) TOQUE DE SIRENE LONGO,
pelo Operador da eclusa.
b) A autorização para iniciar o procedimento de saída da câmara da eclusa
será dada por SINAIS SONOROS DE 02 (DOIS) TOQUES DE SIRENE - LONGOS,
pelo Operador da eclusa, precedidas da informação via equipamento de
comunicação.
CAPÍTULO VIII
PROCEDIMENTOS PARA PASSAGEM SOB PONTES
Artigo 30. – Em condições de visibilidade restrita (conforme definido pelo RIPEAM – Seção
III), é proibida a passagem das embarcações sob vãos navegáveis de pontes, até que
sejam restabelecidas as condições visuais avaliadas pelo Comandante da embarcação. As
embarcações deverão aguardar a melhora do tempo atracadas.
Artigo 31. – Em caso de colisão de embarcações com pilar das pontes da Hidrovia do
Tocantins, deverão ser tomadas as seguintes providências pelo Comandante visando a
segurança da navegação e a manutenção da integridade estrutural da ponte:
a) Disseminar o ocorrido, da forma mais rápida possível, para a AHIMOR, a
Capitania dos Portos da Amazônia Oriental e a Polícia Rodoviária Federal e/ou
Estadual;
b) Fundear, atracar ou abarrancar a embarcação nas proximidades até a
chegada ao local da perícia da Marinha do Brasil.
CAPÍTULO IX
DISPOSIÇÕES FINAIS
Artigo 32. – Os usuários ao se defrontarem com situações não previstas nestas Normas e
necessitarem de providências dos órgãos responsáveis deverão contatar, por intermédio
dos telefones relacionados abaixo, a Administradora responsável pelo local, a fim de serem
tomadas as medidas cabíveis:
17
Operadora do Sistema de Transposição (ECLUSA)
Centrais Elétricas do Norte do Brasil S.A. - ELETRONORTE:
Fone: (0xx94) 3787-7250
Fax: (0xx94) 3787-7126
e-mail: etc@eln.gov.br ou cagil@eln.gov.br
Responsável pela Infraestrura de Transportes
Diretoria de Infraestrutura Aquaviária - DAQ/DNIT-DF(SEDE):
Fone (0xx61) 3315-4401
Fax (0xx61) 3315-4002
e-mail: diretoria.aquaviaria@dnit.gov.br
Responsável pela Administração da Hidrovia do Tocantins
Administração das Hidrovias da Amazônia Oriental - AHIMOR:
Fone (0xx91) 3039-7738
e-mail: ahimor@ahimor.gov.br
Agente da Autoridade Marítima
Capitania dos Portos da Amazônia Oriental
Fone: (0xx91) 3218-3950
Fax: (0xx91) 3224-7690
Disque Segurança da Navegação: 0800-280-7200
e-mail: secom@cpaor.mar.mil.br
Artigo 33. – Eventuais danos ou prejuízos causados por imperícia, imprudência ou
negligência dos usuários serão de total responsabilidade dos mesmos.
Artigo 34. – Estas normas não eximem os navegantes de conhecerem a legislação em
vigor, dentre outras a LESTA, RLESTA, as Normas da Autoridade Marítima –
NORMAM/DPC, o Regulamento Internacional Para Evitar Abalroamento no Mar - RIPEAM,
as Normas e Procedimentos da Capitania dos Portos da Amazônia Oriental - NPCP.
Artigo 35. – Os casos omissos a estas normas serão analisados e definidos pelo
Administrador da Hidrovia e Operador das Eclusas, sendo aprovadas posteriormente pela
Autoridade Marítima, no que couber.
Equipe técnica
HERBERT DRUMMOND – Engenheiro – Diretor da DAQ/DNIT-DF(SEDE)
WILSON IZIDORIO CRUZ – Engenheiro – Coord. Geral DAQ/DNIT-DF(SEDE)
FLÁVIO TOBIAS ACATAUASSU NUNES – Engenheiro – Assessor DG/DNIT –DF(SEDE)
GLEILSON M. NUNES – Engenheiro – DAQ/DNIT-DF(SEDE)
ELIEZÉ B. DE CARVALHO – Engenheiro – DAQ/DNIT-DF(SEDE)
CÉLIO HENRIQUE DOS REIS SILVA - Engenheiro – DAQ/DNIT-DF(SEDE)
BENEDITO LUIS DE FRANÇA – Engenheiro – Coord. Adm. Hidroviária – DNIT-PA/AP
ALESSANDRA WERNECK DE SOUZA – Técnica de Suporte em Infraestrutura de
Transportes – DAQ/DNIT-DF (SEDE).
18
ANEXOS
19
ANEXO I - VIA NAVEGÁVEL DO RIO TOCANTINS
A - Níveis mínimo e máximo de navegação (m.s.n.m.)
Nivel mínimo Nível Máximo
Rio Tocantins
Foz até o remanso do Lago
de Tucuruí
3,50 Sem restrição
Remanso do Lago de
Tucuruí até a Cidade de
Marabá
58,0 Sem restrição
B – Comboio tipo projetado para as eclusas de Tucuruí.
Comprimento: 200,0m
Boca: 32,0 m
Calado em 100% do tempo : 3,0 m*
Altura livre: 15,0 m
* O calado de 3,0m é garantido em 100% do tempo somente nas eclusas, canal intermediário e canais de
acesso a montante e a jusante. Para as condições nos demais trechos do Rio Tocantins deverão ser
consultados DNIT, AHIMOR e/ou Marinha do Brasil.
20
ANEXO II - INSTRUÇÕES OPERACIONAIS PARA NAVEGAÇÃO EM TRECHO
RESTRITO, TRECHO CRÍTICO E PASSOS COM RESTRIÇÃO.
1. Procedimentos a serem adotados nos trechos restritos por todas as embarcações
que demandem esses trechos (Regra 09 Alínea F do RIPEAM).
a) A embarcação ao se aproximar de trecho restrito, deverá fazer a chamada geral no
canal 16 VHF, a pelo menos 1000 metros do mesmo, identificar-se, informar a direção
para a qual está navegando, especificando onde se encontra, que tipo de embarcação é
(exemplo: chamada geral/chamada geral aqui empurrador “Cruz”, descendo ou subindo o
rio, em direção ao km ou bóia 64 do reservatório de Tucuruí, em comboio tipo Tocantins
carregado ou vazio, cambio).
b) A embarcação que interceptar a chamada e estiver vindo em sentido contrário
deverá atender o chamado, identificar-se, divulgar suas características (exemplo: comboio
tipo Lourenço chatas carregadas ou vazias, escoteiro, etc) como segue: “Aqui empurrador
Thor, ciente, estou subindo o rio em comboio Tipo Lourenço, carregado, a 1000 metros do
km 52, câmbio”).
c) Quando uma mensagem não for compreendida, aquela embarcação que não
compreender a mensagem pedirá a embarcação transmissora que repita a mensagem
(Exemplo: “Aqui “Cruz”, repita, câmbio”);
d) Os sinais sonoros a serem usados pelas embarcações que se aproximarem dos
trechos restritos são aqueles previstos na Regra 34 alínea E do RIPEAM (durante o
percurso a embarcação dará um apito longo em intervalo não superior a 02 minutos);
e) A embarcação que estiver navegando num trecho restrito deverá se manter tão
próxima quanto possível e seguro da margem que estiver a seu boreste (Regra 09 alínea
A do RIPEAM);
2. Procedimentos a serem observados nos trechos críticos por todas as
embarcações que demandem esses trechos
Nos trechos críticos, além dos procedimentos descritos no item 1 destas instruções,
deverão, também, ser adotados os seguintes:
a) A embarcação preferencial informa que está procedendo normalmente em seu
rumo (informa para onde e em que direção está navegando) e solicita que a outra
embarcação lhe dê passagem (exemplo: “Aqui “Cruz”, tenho a preferência, estou
procedendo rio abaixo em direção ao km 64, solicito passagem, câmbio”);
b) A embarcação que for obrigada a ceder passagem terá que confirmar que recebeu a
mensagem com as intenções do outro comboio e informar que dará a passagem, pairando
sob máquinas ou permanecendo amarrada num “PE” (Exemplo: “Aqui Thor, ciente,
aguardarei sua passagem pairando sob máquinas na altura do km 51 e meio. Câmbio”);
c) A embarcação com preferência informará que recebeu a mensagem. (Exemplo: “Aqui
“Cruz”, ciente é só”);
21
d) A preferência será estabelecida na ordem decrescente da quantidade de carga que
embarcação estiver transportando;
Observação: a preferência entre comboios semelhantes será a do que estiver descendo o
rio.
e) Nos trechos críticos, não poderá haver cruzamento de comboio tipo Tocantins com
outra embarcação;
3. Passos com restrição:
As embarcações que forem efetuar a transposição dos passos com restrição, devem
previamente, consultar as Portarias ou Aviso aos Navegantes da Marinha, em vigência,
verificar os Níveis de água registrados nos Postos Limnimétricos, bem como atentar para
os locais sujeitos a formação de baixios.
22
ANEXO III - AMARRAÇÃO NO INTERIOR DA ECLUSA (ESPIAS E SUAS FUNÇÕES)
1- TIPO DE AMARRAÇÃO EM EMBARCAÇÕES OU COMBOIOS:
a) Embarcações de passageiros e/ou esporte e recreio:
- Amarração apenas de 1 (um) bordo.
b) Embarcações e/ou comboios de carga com boca igual a 32 metros:
- Amarração nos 02 (dois) bordos.
c) Embarcações e/ou comboios de carga com boca menor que 32 metros:
- Amarração apenas de 1 (um) bordo.
OBS.: AS ESPIAS DEVEM SER SEMPRE TESADAS (ESTICADAS)
ANEXO IV - CANAIS PARA COMUNICAÇÃO
Canal número Descrição do Serviço Legenda
Canal 06 Serviço de comunicação
entre barcos
(SCB)
Canal 10 Serviço de Comunicação com
a Marinha
(SCM);
Canal 12 Serviço de apoio a
Eclusagem
(SAE)
Canal 16 Serviço de socorro/chamada (SSC)
24
ANEXO V - FRASEOLOGIA PADRÃO ESQUEMA DE COMUNICAÇÃO ENTRE
OPERADOR DA ECLUSA E COMANDANTE DA EMBARCAÇÃO
Emitente Canal Fraseologia Padrão
COMANDANTE 16 Atenção! Atenção! Operador da Eclusa 1 ou 2,
Empurrador Cruz,
Câmbio!
OPERADOR 16 Eclusa 1 ou 2 na escuta, Vamos ao canal 12, entendido?
Câmbio!
COMANDANTE 16 Entendido Passando para o canal 12,
Câmbio!
OPERADOR 12 Atenção! Atenção! Empurrador Cruz, Eclusa 1 ou 2 chamando
Câmbio!
COMANDANTE 12 Empurrador Cruz na escuta, Estou no ponto de comunicação
obrigatória (PCO), a montante, e me preparando para eclusar,
entendido?
Câmbio!
OPERADOR 12 Afirmativo Comandante, Necessito de alguns dados de seu
comboio:
Nome e prefixo da embarcação,
Empresa,
Quantidade de balsas,
Tipo de carga,
Tonelagem,
Outros dados julgados importantes?
Câmbio!
COMANDANTE 12 Entendido Operador ...........................................................
O nome da embarcação é...................................................
Entendido?
Câmbio!
OPERADOR 12 Afirmativo Comandante ...............
Estou realizando uma eclusagem. Aguarde instruções no
ponto de parada obrigatória (PPO), afirmativo?
Câmbio!
COMANDANTE 12 Afirmativo Operador ...............
Farei nova chamada no P.P.O estou retornando ao canal 16
Câmbio!
Operador da Eclusa passa o rádio para o Canal 16
OPERADOR 16 Atenção! Atenção! Empurrador Cruz,
Eclusa 1 ou 2, chamando,
Câmbio!
COMANDANTE 16 Empurrador Cruz, na escuta,
Câmbio!
Emitente Canal Fraseologia Padrão
OPERADOR 16 Comandante ...............
Vamos ao canal 12, entendido?
Câmbio!
COMANDANTE 16 Entendido, estou passando ao canal 12,
Câmbio!
25
OPERADOR 12 Comandante ..............., afirmativo.
Eclusa 1 ou 2 liberada, favor iniciar aproximação, entendido?
Câmbio!
COMANDANTE 12 Operador ..............., entendido.
Estou iniciando procedimento de aproximação
Câmbio!
OPERADOR 12 Comandante ..............., favor retornar ao canal 16
Câmbio!
COMANDANTE 12 Afirmativo, Operador ................, retornando ao canal 16.
Câmbio!
OPERADOR 16 Atenção! Atenção ! empurrador Cruz,
Eclusa 1 ou 2, chamando
Câmbio!
COMANDANTE 16 Empurrador Cruz, na escuta
Câmbio!
OPERADOR 16 Empurrador Cruz
Vamos ao canal 12, entendido?
Câmbio!
COMANDANTE 16 Afirmativo, Eclusa 1 ou 2
Passando para o canal 12,
Câmbio!
OPERADOR 12 Comandante ...............
Solicito corrigir as amarrações de sua embarcação e orientar
seus tripulantes para o uso do colete salva vidas, entendido?
Câmbio!
COMANDANTE 12 Operador ...............
Vou corrigir a amarração e orientar meu pessoal.
Solicito aguardar, no canal 16, entendido?
Câmbio!
OPERADOR 12 Afirmativo, Comandante ...............
Passando para o canal 16,
Câmbio!
COMANDANTE 16 Atenção! Atenção! Eclusas 1 ou 2,
Empurrador Cruz, na escuta
Câmbio!
OPERADOR 16 Eclusa 1 ou 2,
Vamos ao canal 12, entendido?
Câmbio!
Emitente Canal Fraseologia Padrão
COMANDANTE 16 Ok, Empurrador Cruz,
Passando para o canal 12,
Câmbio!
COMANDANTE 12 Eclusa 1 ou 2
Amarração concluída,
Câmbio!
OPERADOR 12 Comandante ...............
Operação de eclusagem sendo iniciada,
Voltando para o canal 16, entendido?
Câmbio!
26
COMANDANTE 12 Ok, operador ..............., entendido, passando ao canal 16,
Câmbio!
OPERADOR 16 Atenção!, Atenção!
Empurrador Cruz,
Vamos ao canal 12, entendido?
Câmbio!
COMANDANTE 16 Ok, Eclusa 1 ou 2
Passando para o canal 12,
Câmbio!
OPERADOR 12 Comandante ...............
Após os dois toques de sirene (longos)
Está autorizado a desatracar (desamarrar) e sair da câmara
da Eclusa, entendido?
Câmbio!
COMANDANTE 12 Entendido Operador ...............
Retornando ao canal 16,
Câmbio!
OPERADOR 12 Ok, Comandante ................,
Voltando ao canal 16,
Câmbio final!
27
ANEXO VI - INFORMAÇÕES A SEREM FORNECIDAS PELOS COMANDANTES PARA
ECLUSAGEM E PASSAGEM PELO CANAL INTERMEDIÁRIO
Informações a serem fornecidas pelo comandante da embarcação ao operador da
eclusa ou ao coordenador de tráfego.
I - Carga/passageiros - tipo, quantidade e número.
II - Porto de origem e data de saída.
III - Porto de destino e previsão de chegada.
IV - Nome do comandante da embarcação e categoria.
V - Nome, calado, boca e comprimento das embarcações que compõem o comboio.
VI - Condições de funcionamento dos motores, dos sistemas de propulsão (avante e a ré) e
de governo da embarcação.
VII - Situação dos equipamentos de segurança e combate a incêndio.
VIII - Situação das defensas e cabos de amarração.
IX - Fatos relevantes ocorridos durante o percurso dignos de registro, tais como colisões em
bóias, pilares de pontes, em outras embarcações, etc.
28
ANEXO VII - MEDIDAS DE SEGURANÇA PARA ECLUSAGEM DE EMBARCAÇÕES
POSICIONAMENTO DOS COMBOIOS NO INTERIOR DAS CÂMARAS DAS ECLUSAS
29
DET 1
COMPRIMENTO ÚTIL DA CÂMARA
COMPRIMENTO DA CÂMARA
CORTE LONGITUDINAL DA CÂMARA - REPRESENTAÇÃO
SEM ESCALA
COMPRIMENTO DA CÂMARA
MONTANTE
JUSANTE
206,50
207,50
208,50
DETALHE 1
30
ANEXO VIII - SINALIZAÇÃO LUMINOSA NA APROXIMAÇÃO DAS ECLUSAS
ECLUSA TÍPICA
31
ANEXO IX - SOLICITAÇÃO DE TRANSPOSIÇÃO NA ECLUSA - S.T.
SOLICITAÇÃO DE TRANSPOSIÇÃO NA ECLUSA - S.T

1 - Empresa 2 - Código
3 – Endereço
4 - Cidade 5 - Estado 6 - CEP
7 – Telefone/Fax 8 – CNPJ ou CPF
9 – Endereço para Correspondência
10 - Cidade 11 - Estado 12 - CEP
13 – Telefone/Fax
14 – Empurrador ou
Embarcação
Nome
15 – Tipo de
carga/Passageiros
16 - Quantidade 17 - Unidade
Nome da Chata
Nome da Chata
Nome da Chata
Nome da Chata
Percurso
18 – Terminal de Origem
19 – Terminal de
Destino
20 – Distância (km)
21 – Sequência de Passagem
Eclusa 1 Eclusa 2
22 – Informações Adicionais
Obs.: Este Formulário deverá ser entregue ao Operador da primeira eclusa do percurso
23 – Local e Data 24 – Assinatura do Comandante da Embarcação
32
O formulário ”Solicitação de Transposição na Eclusa – S.T. deverá ser preenchido em 2
vias, impressa ou em letra de forma legível conforme as instruções abaixo.
Somente poderão eclusar embarcações com a(s) “S.T.” devidamente preenchida(s) e
assinada(s) por seu(s) comandante(s).
(1) Nome completo da empresa que está solicitando as eclusagens
(2) Uso do Operador - (não preencher)
(3) Endereço da matriz da empresa
(4) Cidade onde se localiza a matriz da empresa
(5) Estado onde se localiza a matriz da empresa
(6) Código de endereçamento postal da matriz da empresa
(7) Telefone e fax da matriz da empresa
(8) Número de inscrição da empresa no C.G.C. ou C.P.F.
Os campos 9 a 13 somente deverão ser preenchidos se o endereço for em local diferente
da matriz
(9) Endereço para correspondência
(10) Cidade
(11) Estado
(12) Código de endereçamento postal
(13) Número de telefone/fax
(14) Especificar o(s) nome(s) da(s) embarcação(ões) a ser(em) eclusada(s), conforme
registro na Capitania dos Portos. Para embarcações de passageiros ou autopropelidos de
carga, utilizar apenas o campo “Nome” conforme registro na Capitania dos Portos.
(15) Especificar o nome do produto a ser transportado por embarcação ou no caso de
embarcações de turismo e esporte e recreio deverá ser colocado “passageiros”.
(16) Informar a quantidade de carga a ser transportada por embarcação. No caso de
embarcações de passageiros, a quantidade de passageiros. Embarcações de esporte e
recreio deverá informar a quantidade de pessoas a bordo.
(17) Especificar a unidade de peso ou volume da carga a ser transportada (toneladas,
metros cúbicos, unidades, etc.).
(18) Informar o porto de origem onde a carga e/ou passageiro foi embarcado.
(19) Informar o porto destino onde a carga e/ou passageiro será desembarcado.
(20) Informar a distância a ser percorrida no trajeto (quando o retorno for no mesmo dia,
deverão ser computadas as distâncias de ida mais a de volta.
(21) Informar em ordem numérica a sequência de passagem da embarcação ou comboio
nas eclusas.
(22) Informações adicionais que o comandante da embarcação julgar necessário.
(23) Local e data do preenchimento da “S.T.”
(24) Assinatura do comandante da embarcação.
Obs.:
1 - A primeira via da “S.T.” deverá ser entregue na primeira eclusa do percurso e a
segunda deverá ser arquivada na empresa.
2 - Cargas com origem e/ou destino diferentes deverão possuir “S.T’s.” distintas.
3 - Embarcações de passageiros/turismo que retornarem no mesmo dia não precisarão
entregar nova “S.T.”
4 - Embarcações de órgãos de fiscalização municipal, estadual ou federal, bem como as
utilizadas para manutenção da via não precisarão entregar “S.T.”
Solicitação de fomulários adicionais poderão ser obtidos junto a AHIMOR ou no
sítio do DNIT: http://www.dnit.gov.br/.
33
ANEXO X - FOLHA DE AVALIAÇÃO DE SINALIZAÇÃO – FAS
FOLHA DE AVALIAÇÃO DE SINALIZAÇÃO (FAS)
(a ser preenchido pela AHIMOR)
DIRETORIA DE INFRAESTRUTURA AQUAVIÁRIA
AHIMOR - ADMINISTRAÇÃO DA HIDROVIA DA AMAZONIA ORIENTAL
Com propósito de aprimorar a qualidade dos nossos serviços, solicitamos ao (s) Sr(s) comandante e mestre
de embarcação, navegado na Hidrovia do Tocantins, preencher (em) esta FAS e entregar ao operador da
eclusa mais próxima da ocorrência.
1. Nome do comandante: _______________________________________________
2. Nome da embarcação: _______________________________________________
3. Nome da empresa: __________________________________________________
4. Data: _____________________________________________________________
5. Tipo de ocorrência: _________________________________________________
Colocar o(s) número(s) bóia(s) e/ou baliza(s) de margem e marcar um “X” no quadro que corresponda a
ocorrência observada.
Caso sejam verificadas outras irregularidade além dessas, preencher o item “outros”.
Ocorrência
SINAL Número Fora de lugar Amassada Faltando Local
BÓIAS
BÓIAS
BÓIAS
BÓIAS
BÓIAS
OUTROS:

6. Sugestões para melhorar a sinalização da Hidrovia:
N.º
34
ANEXO XI - REFERÊNCIA DOS PONTOS DE COMUNICAÇÃO E PARADA
OBRIGRATÓRIA
LOCAL MONTANTE JUSANTE
PONTO DE
COMUNICAÇÃO
OBRIGATÓRIA –
PCO
PONTO DE PARADA
OBRIGATÓRIA -PPO
PONTO DE
COMUNICAÇÃO
OBRIGATÓRIA – PCO
PONTO DE PARADA
OBRIGATÓRIA -PPO
ECLUSA 1 UHE
TUCURUÍ
Bóia Amarela
Lat.= 03º 51’ 49”S
Long.= 049º 38’ 03”W
Bóia Amarela
Lat. = 03º 51’ 14”S
Long. = 049º 38’ 55”W
NÃO APLICÁVEL NÃO APLICÁVEL
ECLUSA 2 UHE
TUCURUÍ
NÃO APLICÁVEL NÃO APLICÁVEL
Bóia Amarela
Lat. = 03º 44’ 43”S
Long. = 049º 39’ 41”W
Bóia Amarela
Lat. = 03º 45’ 22”S
Long.= 049º 39’ 38”W 

 

TEST

TEST1

 

 
     

                APOIO: ANTONIO ALBERTO Q. CASTRO (BETO)                                                                                                                                                                                   21/10/2011 13:04:36